Canadá proíbe captura e criação de golfinhos, baleias e botos

O Canadá fez história ao proibir o cativeiro e a criação de baleias, golfinhos e botos.

O Parlamento do país aprovou nesta segunda, 12, uma lei que proíbe a captura e criação de cetáceos como baleias e golfinhos, uma decisão elogiada por ativistas da defesa dos animais.

Para os ativistas dos direitos dos animais, este é um grande problema. O que exatamente doees a proibição implica? Os animais não podem ser criados ou mantidos em cativeiro e, se forem considerados culpados, você poderá receber uma multa de até 200.000 dólares canadense

A lei, apresentada pela primeira vez em 2015 e que agora precisa apenas de uma aprovação real simbólica, não será retroativa, o que significa que os animais em cativeiro permanecerão confinados.

A nova legislação inclui exceções para mamíferos marinhos que precisam de reabilitação após um ferimento ou para outros casos autorizados pelas autoridades.

“É uma lei muito importante porque proíbe a criação, o que garante que as baleias e golfinhos que estão atualmente retidos em pequenos tanques no Canadá são a última geração a sofrer”, declarou Melissa Matlow, diretora de campanhas da World Animal Protection Canada.

A porta-voz do Grupo de Defesa dos Animais, Nina Devries, afirmou que o Canadá se une a uma dezena de países, incluindo Chile e Costa Rica, “que adotaram uma postura progressista contra a prisão e criação de baleias, golfinhos e botos para entretenimento”.

Os parques aquáticos com baleias e golfinhos como atrações foram alvos de campanhas de repúdio nos últimos anos. Marineland nas Cataratas do Niágara e o Aquário de Vancouver são as únicas instalações no Canadá com cetáceos em cativeiro.

Com informações Correio do Povo

Espalhe notícia boa nas suas redes sociais. Siga o SNB no Facebook, TwitterInstagram e Youtube

O conteúdo do SóNotíciaBoa é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.

Fonte: Só noticia boa

Compartilhe essa notícia: